Expedição aos Pontos Extremos Continentais Brasileiros

Índice do Artigo
 Expedição aos Pontos Extremos Continentais Brasileiros
 SUL
 OESTE
 NORTE

Expedição aos Pontos Extremos Continentais Brasileiros


LESTE


    Eu e minha mulher já estamos viajando no nosso carro por mais de 1 mês, saindo de Brasília-DF e passando por GO, BA, PI e CE. No CE ficamos impressionados com a riqueza paleontológica da cidade de Santana do Cariri com seus fósseis de peixes e de insetos. Há fósseis como o de um sapo comendo um inseto que se encontrava em pleno vôo, há uma libélula perfeitamente preservada e há muitos outros fósseis em raras posições. Tenho quase certeza de que estas fossilizações foram oriundas da queda de um meteorito há mais de 150 milhões de anos atrás no município de Campos Lindos-TO, onde eu havia conhecido certa vez. Outro local bem interessante nesta parte do CE é a Floresta Nacional do Araripe. Já na PB, ficamos encantados com o Parque Vale dos Dinossauros em Sousa, onde vimos pegadas e rastros incríveis e fascinantes de dinossauros. Numa dessas pegadas, ou seja, de um Estegossauro, coube eu e minha mulher juntos. Passamos também em Cabaceiras, no Hotel Fazenda Pai Mateus com suas pedras gigantes redondas, onde já foi palco de vários filmes brasileiros. Paramos no município do Ingá, para vermos a sua famosa pedra com suas gravuras itacoatiaras, ainda indecifráveis. Realmente a região Nordeste é riquíssima em arqueologia, paleontologia, espeleologia e etc e isto nós constataríamos mais tarde em outras viagens por ali. Pena que, salvo algumas exceções, há pouco investimento nestas áreas por aqui. Finalmente, depois de cerca de 2.625 km, chegamos às 15:30 h na Praia da Ponta dos Seixas, no município de João Pessoa-PB, onde está o Ponto Extremo Leste Continental do Brasil. Estivemos por aqui há 16 anos atrás e me lembrei que muitos brasileiros e turistas, muitas vezes desatentos, não percebem que o Farol do Cabo Branco não é o Ponto Extremo Leste do Brasil e das Américas, mas sim é a Ponta da Praia dos Seixas. Conseguimos uma pousadinha a uns 200 m da praia, onde o dono é um simpático italiano. Assim que chegamos fomos logo à praia tomar um banho de mar. Apesar de depois de um tempo eu sempre me enjoar do esquema praia, areia e sal, bateu uma certa saudade do nosso velho amigo mar. A praia estava linda, água clara e limpa, céu azul e bastante areia. Tomamos um banho bem relaxante, matando aquele calor extremo do interior da caatinga nordestina, o qual já nos acompanhava por 1 mês. Este Ponto Extremo continental brasileiro é realmente o mais fácil de ser conquistado, ou seja, as rodovias e estradas de acesso são boas e existem pousadas, bares, hospitais e tudo o mais de importante por perto. O único problema é ter certeza onde está localizado o Ponto Extremo.

    Acordamos às 9 h, pois o café da manhã não estava combinado na diária da pousada. Tomamos o café que havíamos comprado na noite anterior num mercadinho e fomos rever o Farol do Cabo Branco, o qual está em cima de uma falésia. O farol tem a forma de uma estrela de 3 pontas, seguradas por um pilar central nas cores preto e branco. De cima, dá para ver o lindo mar azul esverdeado e lembrar que a mãe África está do outro lado. No farol está escrito na placa comemorativa, de forma incompleta e equivocada, que ali é o Ponto Extremo Leste do Brasil e da América do Sul. Isto está meio certo, porém, não seria só da América do Sul, mas sim das Américas do Sul, Central e do Norte. Além disso, como constatamos posteriormente, não é exatamente ali o Ponto Extremo, mas sim a Ponta da Praia dos Seixas. Neste local, dá para ver também que o mar vem destruindo a falésia onde se encontra o farol, pois parte de um muro com mosaicos que retrata as paisagens naturais da região, já havia desabado até na praia abaixo. À tarde, ficamos no maior conforto na Praia da Ponta dos Seixas, onde almoçamos peixe com camarão, fritas, salada e arroz. Tudo bem tranqüilo e com o visual freqüente, à esquerda, da cidade de João Pessoa.

    Acordamos às 6:00 h para aproveitar que a maré estava baixa a fim de medir com o GPS os pontos. Fizemos o percurso desta vez todo a pé. Registramos vários pontos no GPS bem na Ponta da Praia dos Seixas e achamos um bem ao extremo oriental ou leste. Depois fomos até na praia em frente à falésia do Farol do Cabo Branco e marcamos outro ponto. O local é lindo, ou seja, com terra nas tonalidades amarela, vermelha e outras cores nas paredes da falésia e uma pequena praia com um areal de uns 10 a 15 m de largura até o mar. Existem também algumas pedras que se estendem por cerca de uns 200 m mar adentro, porém, sempre cercadas de água, o que faz com que elas não possam ser consideradas como continente. Vimos também os pedaços do muro com mosaicos que está acima e em frente ao farol, o qual cedeu uma parte. Por fim, demos a volta e subimos a falésia em direção ao Farol do Cabo Branco. Marcamos outro ponto no GPS perto do farol e concluímos com certeza e mais uma vez que a polêmica entre a Ponta da Praia dos Seixas e o Farol do Cabo Branco, por qual dos dois é o Ponto Extremo Leste do Brasil e das Américas, havia sido derrubada. Por cerca de uns 400 m, a Ponta da Praia dos Seixas está mais no leste do que o Farol do Cabo Branco. Ou seja, o governo ou a Marinha brasileira deveriam fincar um poste ou algo parecido e com as devidas coordenadas, como Ponto Extremo Leste do Brasil e das Américas, na Ponta da Praia dos Seixas, e não como está equivocadamente mencionado no Farol do Cabo Branco. Mesmo desconsiderando a parte de praia ou de areia, a Ponta da Praia dos Seixas ainda continua sendo o Ponto Extremo Leste continental do Brasil e das Américas. De qualquer forma, finquei um marco simbólico com o meu nome na Ponta da Praia dos Seixas e tirei várias fotos com a minha tradicional bandeirinha do DF nos dois polêmicos pontos para tirar qualquer dúvida de que estive por lá de novo. É uma tristeza que nem neste Ponto Extremo continental brasileiro, o qual é o de mais fácil acesso, não exista um marco preciso e definitivo no local. Aliás, mais tarde, eu iria descobrir que os 4 Pontos Extremos continentais brasileiros estão bem longe de serem pontos turísticos. Talvez pelo fato de que os 2 do Norte são bem inóspitos, mas mesmo assim seria muito interessante que todo brasileiro tivesse o orgulho e o prazer de saber onde começa e onde termina o seu país.



comentários  

 
0 #11 10-06-2014 18:28
Leonardo, voce está de parabéns.
Pesquisei e descobri que voce foi e ainda é a única pessoa a conhecer os 4 pontos extremos brasileiros.
Seus relatos não são nenhum desreipeito como disse certo colega.
Ao contrário, voce descreveu a PURA verdade e isto é uma realidade.
Continue assim, pois o Brasil precisa de homens iguais a voce que nos levem a conhece-lo de verdade.
Parabéns de novo.
Citar
 
 
0 #10 17-04-2014 18:41
Seu relato é incrivelmente desrespeitoso com a população local! Qual o seu problema?
Citar
 
 
0 #9 19-10-2013 19:19
Olá pessoal,

do dia 22/10/13 a 05/11/13 estarei realizando uma exposição fotográfica sobre os Pontos Extremos do Brasil na Biblioteca da Universidade Católica de Brasília em Taguatinga-DF. O horário de funcionamento é de 2ª a 6ª das 7:10 às 22:40 e no sábado das 8:10 às 17:40.
Além das 80 fotos sobre as expedições, estarei apresentando também 70 fotos sobre a fauna avistada, diários, mapas, equipamentos, roupas, amostras dos solos, vídeos, entre outros.

Compareçam e obrigado.
Citar
 
 
0 #8 04-09-2013 00:03
Leonardo você não vive você viaja!!!!
massa!!!!
Citar
 
 
0 #7 29-08-2013 17:10
Léo parabéns de novo pela conquista!! você merece pela dedicação, planejamento e por amor a este país!! coragem!! ainda tem muita coisa por explorar por aí, e espero que eu consiga participar de alguma
Grande abraço e BOA SORTE!!
Citar
 
 
0 #6 17-08-2013 19:08
Obrigado meus amigos e amigos pelo apoio e pela consideração.
Digo para vcs, que se Deus quiser, mais conquistas virão por aí.
Citar
 
 
0 #5 17-08-2013 15:48
Leonardo, és um Expedicionário, como poucos atualmente o são! A conquista dos 4 pontos extremos do país é apenas uma parcela do tanto que desbravas e conheces este imenso país. Parabéns e continues com essa disposição!
Citar
 
 
0 #4 15-08-2013 18:51
Grande Leonardo.
Você é um desses caras que devia ter nascido no final do século XVIII, pois assim estaria desbravando o nosso Brasil juntamente com Mal Rondon e outros sertanistas corajosos.
Admiro vc pela tenacidade, pela coragem, e pela organização com que atinge seus objetivos. Hoje em dia existem poucos como vc, e sinto orgulho de ser seu amigo.
Quiçá eu tivesse mais tempo para acompanhá-lo, pois vc consegue levar a vida da maneira com que todos sonham.
Parabéns, amigo, e todo o sucesso prá vc!
Magno
Citar
 
 
0 #3 14-08-2013 19:25
Fala Renato e Donatello, beleza! Obrigado por comentarem. Me passem os seus e-mails pra gente conversar.
Citar
 
 
0 #2 13-08-2013 12:08
Meu amigo, eu te parabenizo.
Eu sempre sonhei em conhecer o Brasil de um canto ao outro e lendo os seus diários a gente pode ter um pouco deste prazer. Recentemente vi que dois gringos estão fazendo uma jornada do Norte para o Sul do Brasil sem utilizarem motores, porém, eles não saíram do Ponto extremo Norte, mas sim do extremo e como vc mesmo disse chegar no extremo não é tão difícil quanto chegar no Ponto extremo. Além do mais, a sua conquista os supera também por vc ter ligado os 4 Pontos extremos por terra e um pouco por água. Realmente vc é o pioneiro neste tipo de aventura. Parabéns de novo e continue assim, explorando o nosso país cada vez mais.
Citar
 

Comentar:


Código de segurança
Atualizar

Avaliação do Usuário: / 1
PiorMelhor 

Login

Login Cadastro

Login para sua conta

Sem conta? Campos marcados com um asterisco (*) são obrigatórios.

Por favor, informe um Nome de Usuário válido. Sem espaços, com pelo menos 2 caracteres e contendo apenas letras e números.
Por favor, informe um Senha válido. Sem espaços, com pelo menos 4 caracteres e contendo apenas letras e números.
Senhas não conferem.
Por favor, informe um endereço de e-mail válido.
E-mails não conferem. ?>


Quem está Online

Nós temos 240 visitantes online

Estatísticas

Visualizações : 20531634
English Chinese (Simplified) Dutch French German Italian Japanese Russian Spanish